fbpx

Davos: Moro fala sobre corrupção e como ela mina a confiança no país

Moro diz que últimos governos não combateram corrupção. “Esta é uma das razões pelas quais decidi deixar meu cargo de juiz e ir para o governo”, afirmou o ministro da Justiça, Sergio Moro.

Em palestra, nesta terça-feira (22), em Davos, na Suíça, o ministro da Justiça, Sergio Moro, disse que é necessária a liderança do governo federal contra a corrupção e que isso não foi visto em gestões anteriores.

Moro defendeu ainda que, da parte do Judiciário, muito foi feito contra a corrupção, mas que é preciso mais.

“Nós precisamos de reformas gerais para reduzir o incentivo e as oportunidades de corrupção. Nós precisamos de liderança do governo federal contra a corrupção e nós não vimos isso nos dois últimos governos. Esta é uma das razões pelas quais eu decidi deixar meu cargo de juiz e ir para o governo.”

Moro também alertou que alguns membros do setor privado têm “grande responsabilidade pela corrupção”.

Em sua participação no debate, o ministro da Justiça destacou que o Brasil é um bom exemplo de como a corrupção generalizada mina a confiança.

Moro relatou que pagar propinas tinha se tornado um comportamento normal na sociedade brasileira e que os envolvidos costumavam dizer que era a “regra do jogo”.

O ex-juiz da Lava Jato destacou também que o País tem tradição de impunidade contra corrupção. Mas, segundo ele, algo mudou no Brasil.

“A corrupção generalizada foi ruim não apenas para a confiança pública, como também minou a competição leal no mercado.”

“Empresas pagaram propina para obter vantagens em contratos públicos. O setor público tem grande responsabilidade nisso. E o setor privado deve também se unir para censurar os que tomam passos errados.”

Fonte: Reuters / Agência Brasil