fbpx

Fumaça de incêndios na Austrália chega ao Sul do Brasil

Incêndios na Austrália destruíram uma área equivalente à Irlanda, oito milhões de hectares, causando 24 mortes.

A fumaça dos devastadores incêndios florestais na Austrália chegou, nesta terça-feira (7), ao sul do Brasil.

A Divisão de Sensoriamento Remoto do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) apresentou imagens de satélites que mostram a fumaça no Rio Grande do Sul.

A empresa privada de meteorologia MetSul enfatizou que “a presença de fumaça da Austrália no céu é quase imperceptível, a despeito do satélite mostrar que há fumaça na atmosfera sobre a Grande Porto Alegre”.

Na última segunda-feira (6), a fumaça dos incêndios em florestas australianas já era visível no Chile e na Argentina.

A fraca nuvem que está a 6 mil metros de altitude percorreu mais de 12 mil quilômetros para chegar à América do Sul, informa o jornal Correio Braziliense.

Especialistas australianos estão atentos aos temores de que espécies inteiras podem ter sido exterminadas pelo fogo.

Conservacionistas e especialistas em vida selvagem estão preocupados que os incêndios florestais que varrem a Austrália tenham resultado em “perdas catastróficas”.

Populações de pequenos marsupiais chamados “sminthopsis” e “cacatuas pretas brilhantes” podem ter sido dizimadas nos incêndios que queimaram um terço da Ilha Kangaroo, dizem os especialistas ouvidos pelo jornal Independent.

Ecologistas esperam encontrar sobreviventes da população de sminthopsis e resgatá-los “antes que eles desapareçam completamente”.

Heidi Groffen, ecologista e coordenadora da ONG “Terra para Vida Selvagem da Ilha Kangaroo”, disse que esta espécie de marsupial é pequena demais para fugir dos incêndios florestais e que a população de cerca de 300 pode ter sido completamente exterminada.

“Mesmo que haja sobreviventes, não há comida para eles agora. Esperamos trazer alguns para o cativeiro antes que eles desapareçam completamente”, disse Groffen.

“Certas ONG’s e alguns jornalistas só se importam em falar mal de seu próprio país”, disse o ministro Salles.

Apesar de não ser alvo da mesma histeria ambiental observada durante a época de queimadas na Amazônia no ano passado, os incêndios que assolam a Austrália nas últimas semanas são quase 6 vezes maiores.

Ao compartilhar no Twitter, nesta sexta-feira (3), um gráfico publicado por veículos da velha imprensa, o ministro brasileiro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, destacou que “certas ONG’s e alguns jornalistas só se importam em falar mal de seu próprio país e, claro, sempre contra o Governo”.

Ainda de acordo com as informações divulgadas por Salles, os incêndios na Sibéria em 2019 foram 3 vezes maiores que os registrados na Floresta Amazônica. Curiosamente, a cobertura da imprensa sobre a situação também foi bastante limitada.

“Seletividade absoluta”, completou o ministro Salles. Confira o gráfico logo abaixo: