fbpx

G1 ataca menino de 9 anos

Em meio ao desfile do 7 de setembro, data comemorativa da Independência do Brasil, uma cena chamou bastante a atenção dos presentes no evento e na internet: o presidente Bolsonaro colocou no carro presidencial um garoto de 9 anos que corria para acompanhar o desfile. Ivo Cezar Gonzaga, o garoto, ficou bastante emocionado com o gesto do presidente: “melhor desfile de todos”.

Mas o que era para ser lembrado como um momento de indescritível felicidade para uma criança virou um exemplo de como o fanatismo não respeita nem mesmo quem não pode se defender. O G1, portal de notícias da Globo, fez uma matéria a respeito e colocou no Facebook. Então, no post da matéria, surgiu o seguinte comentário relacionado ao garoto: “Moleque imbecil, vai se alfabetizar”.

A página apagou o comentário e publicou uma errata pouco depois, mas não adiantou nada. O estrago estava feito, o comentário foi registrado em mil e um prints e foi deveras espalhado pela internet. Afinal, era simplesmente a página do portal de notícias da Globo fazendo um comentário extremamente grosseiro, desrespeitoso e baixo sobre uma criança inocente.

Não achem que a grande mídia pense diferente daquele comentário. O jornalismo brasileiro está totalmente impregnado de um fanatismo cego contra o presidente Bolsonaro. Qualquer um que goste ou elogie suas ações terá o mesmo rótulo pregado na sua testa, disso não tenho dúvidas. A nossa imprensa está tão distante da realidade como Netuno está distante do sol; todas as apologias a diálogo e debate abertos são falsidades sem fim.

Todos os dias somos brindados com pérolas e palavras de ordem contra o governo. Será de fato que esse governo é tão ruim como a grande mídia pinta? Teria ele os 5% de aprovação do governo Temer, o mais impopular da história – e paradoxalmente um dos mais defendidos pela imprensa? O nível de ódio que torna indivíduos de cabelos brancos em crianças mimadas salta os olhos de qualquer observador minimamente sensato.

O atrito entre Bolsonaro e o presidente francês, Emmanuel Macron, foi bastante simbólico. A mesma mídia que arrogou nacionalismo na era Lula foi a mesma mídia que agora defendeu um ataque direto e real à nossa soberania. E desferida por um presidente europeu. Ah, malditos eurocêntricos. Roubaram nosso ouro, dizimaram nossos nativos, impuseram a nós uma cultura. Mas do nada viraram seres angelicais frente ao brutamonte que temos na chefia do nosso Executivo. A coerência das narrativas esquerdistas é sempre zero.

O jornalismo brasileiro já deu inúmeras mostras de que irá passar por cima de qualquer obstáculo que surgir no caminho para derrubar o único governo conservador que o Brasil teve nos últimos 30 anos. Quer reduzir o nosso sistema político no velho teatro das tesouras, onde só a esquerda governava. E fará tudo isso em nome da democracia – essa palavra tão usada e pouco compreendida.

Se há uma coisa que a direita brasileira tem falhado enormemente, é em criar uma mídia conservadora. Não fosse os portais como este Renova Mídia, dificilmente os direitistas teriam uma outra versão dos fatos. E apesar do grande alcance, ele não consegue atingir todos os lares brasileiros, como a grande mídia consegue. Falta um pouco de coragem aos empresários que apoiaram Bolsonaro, dar aquele passo adiante.

Enquanto isso, teremos que aturar a militância jornalística ludibriar perversamente os brasileiros. O ódio a Bolsonaro e a seus apoiadores continuará a ser destilado todos os dias, em todas as matérias e notícias com interpretações falsas. O jornalismo brasileiro morreu faz um bom tempo; ficou no lugar um bando de malucos ideólogos que já não disfarçam de que lado estão.

Como noticiou o Senso Incomum sobre o Brexit: ” […] não é que, como muitos têm dito, a imprensa mundial tenha se limitado a torcer, da arquibancada, pela permanência da Inglaterra na UE. Não, a imprensa simplesmente entrou em campo e jogou junto com os ‘permanencistas’ ”.

O modus operandi da mídia em relação ao caso da saída dos britânicos do monstro burocrático chamado União Europeia aplica-se perfeitamente ao governo Bolsonaro. Na ânsia de humilhar, envergonhar e ridicularizar qualquer um que demonstre simpatia pelo presidente, o jornalismo brasileiro não conhece padrões éticos e morais. Ofende até mesmo uma criança de 9 anos.

Referências:

https://g1.globo.com/df/distrito-federal/noticia/2019/09/07/melhor-desfile-de-todos-diz-menino-que-pegou-carona-com-bolsonaro-no-7-de-setembro.ghtml

https://renovamidia.com.br/g1-confirma-que-perfil-atacou-crianca-que-desfilou-com-bolsonaro/

http://sensoincomum.org/2016/06/24/not-in-my-backyard-o-significado-do-brexit/

Texto: Carlos Júnior (RenovaMídia)

Juristas repudiam ataque do G1 a menino que desfilou com Bolsonaro

Através do Facebook, o portal de notícias da Rede Globo chamou criança de 9 anos de “moleque imbecil” e disse que ele deveria se alfabetizar.

Ivo César Gonzales, um garoto de 9 anos, foi atacado, na noite de sábado (7), pelo portal de notícias da Globo na rede social Facebook.

“Moleque imbecil. Vai se alfabetizar”, escreveu o perfil oficial do portal G1.

Em pouco tempo, prints do comentário da página tomaram as redes sociais, e a hashtag “G1 imbecil” ficou no topo dos assuntos mais comentados do Twitter por horas.

O site G1 se pronunciou sobre o caso e disse que repudia a ação e que vai investigar o caso. Ainda não foram divulgadas as medidas tomadas sobre o incidente.

Neste domingo (8), segundo o site R7, o Movimento Advogados do Brasil postou uma nota de repúdio ao ataque feito e se colocou à disposição da família, caso eles queiram tomar medidas judiciais contra o portal.

“O Movimento, que conta com mais de 5 mil advogados, se coloca à disposição da família do garoto para ajudar juridicamente, de forma gratuita, na reparação do dano moral sofrido, caso a família entenda necessário”, afirma o grupo em nota.

1
Olá Salatino. Estou entrando em contato através do WhatsApp disponível em seu site luizsalatino.com.br. Desejo receber em primeira mão todas as notícias e informações relacionadas no seu site. Segue abaixo meu nome e minha cidade.
Powered by