fbpx

Macri diz que Maduro é ditador, durante encontro com Bolsonaro

Presidente argentino disse que ele e seu colega brasileiro compartilham da preocupação com os venezuelanos.

Na primeira visita de um chefe de Estado ao Brasil desde que Jair Bolsonaro assumiu a Presidência, ele e seu contraparte argentino, Maurício Macri, fizeram discursos de repúdio à ditadura de Nicolás Maduro na Venezuela.

Macri disse que ele e Bolsonaro compartilham da preocupação com os venezuelanos e ambos reconhecem a Assembleia Nacional como o “único poder legítimo eleito democraticamente” por vontade popular.

“Não aceitamos ditadura na democracia. E muito menos a tentativa de quem quer ser a vítima e, na verdade, é o algoz. A comunidade internacional já se deu conta de que Maduro é um ditador que busca perpetuar-se no poder com eleições fictícias prendendo os opositores e levando a Venezuela a uma situação desesperadora e agoniante”, disse em breve comunicado à imprensa ao fim do encontro com Bolsonaro.

Bolsonaro e Macri assinam acordo para agilizar extradições

O ministro da Justiça, Sérgio Moro, informou nesta quarta-feira (16) que Brasil e Argentina assinarão um acordo de revisão do tratado de extradição entre os dois países.

A iniciativa será firmada ainda nesta quarta pelos presidentes Mauricio Macri, que faz visita oficial ao Brasil, e Jair Bolsonaro.

Segundo o ministro, o objetivo da medida é fazer um aprimoramento, agilizando o trâmite do processo, “sem passar pelos canais diplomáticos”.

“Existe um tratado de extradição um pouco antigo que foi feito em outra época. As formas de comunicação são outras e há a percepção de uma necessidade de sempre agilizar esses mecanismos de cooperação. Então, esse tratado vai permitir uma comunicação mais rápida entre os dois países”, disse.

“Às vezes tem uma situação urgente. Precisa prender o cara. E, se você seguir o canal diplomático, acontece igual o [Cesare] Battisti”, disse Moro, em referência ao terrorista italiano que estava foragido e foi preso na Bolívia no último domingo (13).

A iniciativa foi acordada em reunião preliminar entre os ministros da Justiça do Brasil e da Argentina, na manhã desta quarta.

A ideia é facilitar o deslocamento de pessoas que tenham sido acusadas, processadas ou condenadas por terem cometido um delito que dá causa à extradição.

Macri se reúne com Bolsonaro em um encontro privado e fará um pronunciamento à imprensa. Na sequência, no início da tarde, se deslocará ao Palácio do Itamaraty, onde será oferecido um almoço em sua homenagem.

Sorridente, Bolsonaro exibe crachá de presidente da República

Ao chegar para trabalhar no Palácio do Planalto nesta quarta-feira (16), Jair Bolsonaro exibiu, todo sorridente e orgulhoso, o seu “Cartão de Identidade Funcional” da Presidência.

O momento foi registrado pelo fotógrafo Alan Santos, que trabalha no Planalto.

Na imagem, abaixo da foto do “funcionário”, consta o número de identificação do trabalhador e a data de validade do documento. No caso de Bolsonaro, 31 de dezembro de 2022, quando termina o seu mandato.