fbpx

“Reforma será justa para todos”, diz Presidente. Assista.

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) defendeu a reforma da Previdência em pronunciamento oficial na televisão na noite desta quarta-feira (20). Segundo ele, o objetivo de seu governo é resgatar a segurança, fazer a economia crescer e servir a quem realmente manda no país, a população brasileira.

“Hoje, iniciamos o processo de criação de uma nova Previdência. É fundamental equilibrar as contas do país para que o sistema não quebre, como já aconteceu em outros países e outros estados brasileiros”, disse Bolsonaro.

“Precisamos garantir hoje e sempre que todos receberão seus benefícios em dia e o governo tenha recursos para ampliar investimentos na melhoria de vida da população e na geração de empregos”, continuou.

O texto da reforma foi enviado hoje à Câmara dos Deputados e ao Senado, onde precisará ser aprovado antes de ser colocado em prática. “A nova previdência será justa para todos, sem privilégios. Ricos e pobres, servidores público, políticos ou trabalhadores privados, todos seguirão as mesmas regras de idade e tempo de contribuição. Também haverá a reforma do sistema de proteção social dos militares”.

Segundo o presidente, ninguém será excluído da reforma e todas as mudanças serão feitas com justiça. “Quem ganha mais, contribuirá com mais. Quem ganha menos contribuirá com menos ainda”, continuou.

“Quero lembrar que os homens mais pobres se aposentam aos 65 anos e as mulheres aos 60. Enquanto isso, os mais ricos se aposentam sem idade mínima. Isso vai mudar. A nova previdência fará a equiparação”, disse Bolsonaro.

Ao longo do pronunciamento, o presidente afirmou que todas as pessoas de todas as classes se aposentarão com a mesma idade, mas esta mudança não ocorrerá do dia para a noite. Segundo ele, haverão regras de transição para que todos se adaptem ao novo modelo.

“Os projetos seguiram hoje para o Congresso para um amplo debate, sob comando dos presidentes da Câmara e do Senado. Nós sabemos que a nova Previdência exigirá um pouco mais de cada um de nós, porém é para uma causa comum. Para o futuro do nosso Brasil e das próximas gerações”, continuou.

“Estou convicto que teremos um pacto pelo país e que juntos, cada um com sua parcela de contribuição, mudaremos nossa história. Com mais investimentos, desenvolvimento e mais emprego”, encerrou o presidente.

Tramitação

Inicialmente, a proposta é submetida à análise na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, e depois será discutida e votada em uma comissão especial da Casa, antes de seguir para o plenário.

No plenário, a aprovação do texto depende de dois dois turnos de votação com, no mínimo, três quintos dos deputados (308 votos) de votos favoráveis. Em seguida, a proposta vai para o Senado cuja tramitação também envolve discussão e votações em comissões para depois, ir a plenário.

O texto elaborado pelo governo propõe idade mínima para aposentadoria para homens (65 anos) e mulheres (62 anos), além de um período de transição.