fbpx

Saiba quem é o Prefeito de Nova York que ataca Bolsonaro e Trump

O atual presidente da Open Society Foundations, fundação do bilionário comunista George Soros, é uma liderança do Partido Democrata e amigo íntimo do prefeito de Nova York Bill de Blasio.

Patrick Gaspard é considerado uma das mais conhecidas lideranças da esquerda dos Estados Unidos.

Ele trabalhou na Casa Branca durante o primeiro mandato do ex-presidente democrata, Barack Obama, e atuou como embaixador dos EUA na África do Sul durante o segundo mandato, de 2013 a 2016.

Antes de se tornar o presidente, em 2018, da organização Open Society Foundations (OSF), criada pelo bilionário “progressista/comunista” George Soros, Gaspard trilhou um longo caminho.

Ele iniciou sua jornada na política norte-americana trabalhando como sindicalista nos anos 90 em Nova York. Foi nesta época que ele conheceu Bill de Blasio, o atual prefeito de famosa cidade de NY. Gaspard e De Blasio iniciaram uma forte amizade, que perdura desde então.

Durante o primeiro discurso de Bill de Blasio como prefeito de Nova York, Gaspard estava observando nas primeiras fileiras, como observou o jornal NY Daily News:

“Sentado em um lugar na primeira fila, Gaspard mal foi notado pela mídia. Mas suas digitais estão em toda a administração De Blasio, começando com Laura Santucci, a nova chefe da Casa Civil, que por anos serviu como assistente-chefe de Gaspard.

Gaspard sorria ao longo do discurso de De Blasio, lembrando sem dúvida o longo caminho que ambos haviam percorrido e as mudanças importantes em suas vidas no último ano.

Em 1990, os dois homens eram jovens novatos políticos, trabalhando como assessores pouco conhecidos de David Dinkins, o último prefeito democrata de nossa cidade.”

Bill de Blasio (prefeito de Nova York) e Patrick Gaspard (presidente da OSF)

Alinhado à ala de extrema esquerda do Partido Democrata, De Blasio é um dos críticos mais ferrenhos do presidente norte-americano Donald Trump.

O prefeito de Nova York, Bill de Blasio, 57 anos, é casado há 19 anos com a poeta Chirlane McCray, de 64 anos, conhecida pela atuação militante na organização radical de feministas e lésbicas negras Combahee River Collective, na década de 1970.

Contrariando a até então vigente legislação norte-americana que proibia viagens a Cuba, o casal De Blasio passou metade da lua de mel na ilha comunista.

De origem italiana pelo lado materno e marcado pelo suicídio de seu pai, de ascendência alemã, De Blasio não hesita em definir-se como um “homem de esquerda que acredita na intervenção do Estado”.

Warren Wilhelm, pai de Bill, trabalhou no governo norte-americano, mas sofreu boicote de outros funcionários que descobriram que ele e sua esposa eram defensores do comunismo. Sanções e declínio profissional levaram o economista ao alcoolismo.

Desde a vitória do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, o prefeito de NY prometeu proteger os imigrantes ilegais na mira do chefe da Casa Branca.

Em 2017, durante evento para celebração da sua reeleição na prefeitura de NY, De Blasio declarou:

“É uma boa noite para os progressistas. Pela primeira vez em 32 anos, um prefeito democrata foi reeleito em Nova York. Vamos prometer uns aos outros: esse é o começo de uma nova era da liderança progressista democrata em Nova York pelos anos que virão.”

Além da proteção aos imigrantes que entram ilegalmente no território norte-americano, De Blasio é adepto de outras políticas alinhadas à agenda da extrema esquerda dos EUA.

O prefeito também é um grande crítico do policiamento ostensivo em regiões de população majoritariamente latino-americana ou negra.

Durante a eleição presidencial de 2016, Bill de Blasio foi gerente de campanha da esquerdista derrotada Hillary Clinton. Ele foi demitido sob a justificativa de ser “politicamente fraco” e “não decisivo”.

O nome do prefeito de Nova York está sempre em evidência nas redes sociais do Brasil após duras críticas contra o presidente Jair Bolsonaro, por motivos óbvios.

Marielle Franco (ex-vereadora do PSOL) e George Soros (bilionário progressista)

Soros, De Blasio e o caso Marielle Franco

A relação de amizade entre Patrick Gaspard e Bill De Blasio continua fortalecida e podemos utilizar o Brasil como exemplo para apontar cenários de alinhamento entre o presidente da ONG de George Soros e o prefeito de Nova York.

Em 22 março de 2018, o bilionário George Soros utilizou as redes sociais para compartilhar uma matéria publicada no site da sua fundação sobre o assassinato da vereadora psolista Marielle Franco, no Rio de Janeiro.

“Marielle Franco era uma defensora dos residentes das favelas do Rio. Após seu assassinato, o legado de trabalho dela por um futuro mais humano ainda vive. #MariellePresente”, escreveu Soros no Twitter.

Três dias depois, o prefeito de Nova York, Bill de Blasio, utilizou a mesma rede social para dizer que o crime contra Marielle mostra o “declínio da democracia brasileira” e a “opressão de pessoas afrodescendentes”.

Bill De Blasio e o ataque a Bolsonaro

Neste sábado (13), o prefeito de Nova York, Bill de Blasio, chamou o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, de “ser humano perigoso”.

Pressionado por dezenas de ONGs indígenas e ambientais, De Blasio pediu para o Museu de História Natural da cidade não sedie uma cerimônia em que o chefe de Estado brasileiro será homenageado.

Em entrevista a uma rádio norte-americana, o prefeito disse que Bolsonaro é uma ameaça à preservação da floresta amazônica:

“Ele é perigoso não apenas por causa de seu racismo e homofobia evidentes, mas porque ele é, infelizmente, a pessoa com mais condições de impactar sobre a Amazônia.”

Dias depois de várias organizações não-governamentais, muitas das quais recebem milhões todos os anos da fundação de Soros, criticarem uma suposta destruição da Amazônia pelo governo Bolsonaro, o prefeito de NY, que é amigo íntimo do presidente da OSF, lança duros ataques contra o chefe do Executivo.

Fica cada vez mais evidente a importância estratégica que o Brasil tem para os Comunistas. A vitória de Jair Bolsonaro, seu respectivo alinhamento com os EUA de Trump e com Israel de Netanyahu gerou um grande problema para o implantação do Comunismo na América Latina e no planeta. O Brasil será fortemente atacado pela mídia internacional de esquerda e líderes comunistas espalhados pelo mundo. O Brasil precisa ser forte e unido, combatendo as ideias comunistas em nossa sociedade, desde o jardim de infância. Não se trata de #EscolaSemPartido e sim de Escolas Ideologicamente de Direita SIM.

Leia também: