fbpx

STF “acusa”, “xinga” e enterra Lava Jato

O Procurador da República Deltan Dallagnol é indubitavelmente uma das autoridades mais respeitadas no país. Admirado pelo povo brasileiro e aclamado por seu combate destemido aos corruptos e a corrupção. Será que podemos dizer o mesmo do Ministro Gilmar Mendes?

Entretanto, justamente Gilmar Mendes, figura sobre a qual pairam inúmeras acusações de desvio de conduta, na sessão do Supremo Tribunal Federal que cometeu um verdadeiro atentado contra a Operação Lava Jato, desferiu impropérios absurdos e inconcebíveis contra Deltan Dallagnol, deixando evidenciado, mais uma vez, a falta de decoro do ministro.


Gilmar Mendes OFENDE procuradores do MPF! Gilmar Mendes chama Procuradores do MPF e da Lava Jato de “cretinos”, “gentalhas”, acusa-os falsamente de desviar dinheiro público e ainda ameaça: “esses falsos heróis estão no cemitério”.

O detalhe pernóstico, é que na mesma sessão, o presidente do STF, Dias Toffoli, determinou através de portaria a instauração de inquérito criminal contra quem falar mal e desrespeitar suas Santidades, os Togas Negras.

A Santidade, Dias Toffoli, anunciou a abertura de um inquérito criminal.

O ATO FALHO de Alexandre.


Alexandre de Moraes comete ATO FALHO grotesco em plenário. Ato falho é um equívoco na fala, na memória, em uma atuação física, provocada hipoteticamente pelo inconsciente, isto é, através do ato falho o desejo do inconsciente é realizado.

Autor do requerimento da CPI para investigar integrantes do Judiciário, o senador Alessandro Vieira, afirma que a portaria publicada ontem (14) pelo presidente do STF, Dias Toffoli, representa uma ameaça aos parlamentares e à sociedade em geral, que “está se mobilizando para investigar o Judiciário”.

Usando sua conta oficial no Twitter, o procurador Deltan Dallagnol lamentou o golpe dado pelo STF na Operação Lava Jato.

Disse ele: “Hoje, começou a se fechar a janela de combate à corrupção política que se abriu há 5 anos, no início da Lava Jato.”

O procurador da República Bruno Calabrich escreveu em sua conta no Twitter que o ato do STF é preocupante. “Preocupante a notícia de instauração de inquérito pelo STF por críticas ao tribunal. De muitas, duas questões: (a) foro por prerrogativa de função é definido pelo agente, não pela vítima; (b) investigação pelo judiciário é inconstitucional (violação ao princípio acusatório)”, disse.

O Regimento Interno do STF autoriza a abertura de inquérito para apurar infrações ocorridas “na sede ou dependência do Tribunal” (art. 43). O fato tem que ser determinado. Não há sequer notícia que o suposto “autor do fato” tenha prerrogativa no STF.


Regimento Interno do STF

No fim da noite de ontem, a Associação Ministério Público Pró-Sociedade divulgou nota afirmando que inquérito aberto pelo STF é “ilegal e inconstitucional”, leia a nota abaixo:

“O MP Pró-Sociedade repudia as ofensas do mais baixo nível proferidas na sessão de hoje [ontem] do Supremo Tribunal Federal contra honrados e combativos colegas do Ministério Público, não sendo a primeira vez que tais fatos ocorreram, com violação, assim, do artigo 35, inciso IV e VIII, da Lei Orgânica da Magistratura (Lei Complementar nº 35/1979).

Lamenta o silêncio do Ministério Público presente a despeito do previsto no art. 6º, inciso XV, da Lei Complementar nº 75/1993, o que também não ocorreu pela primeira vez.

Estranha a instauração de um inquérito ilegal e inconstitucional em todos os seus aspectos por violar, dentre outras normas, o artigo 43, do Regimento Interno do STF.”

Marco Aurélio diz que condenações podem ser anuladas.

Marco Aurélio Mello, afirmou nesta quinta-feira (14) que, em tese, isso só ocorreria se ficar entendido que o juiz federal julgou alguém pelo crime de caixa dois, por exemplo, o que atrairia a competência da Justiça Eleitoral.

O ministro ressaltou, no entanto, que nestes casos o andamento do processo não é anulado, e pode ser aproveitado por um outro magistrado que vir a analisar a investigação.

“Porque nós temos já os elementos coligidos no processo. Então esses elementos que servem à instrução criminal são aproveitados”, disse o ministro, segundo o jornalista Fausto Macedo.

Questionado se sentenças poderiam ser anuladas, o ministro, que votou pela competência da Justiça Eleitoral processar os delitos eleitorais e conexos, respondeu que SIM.

“Essas podem ser afastadas ante a incompetência absoluta do órgão que a prolatou”, afirmou o ministro.

Olavo de Carvalho se manifestou nas Redes Sociais.

Também se manifestou nas redes sociais o Deputado Federal Sanderson (PSL-RS), no seu primeiro mandato eletivo. O policial federal foi eleito tendo como principais bandeiras na Câmara dos Deputados a segurança pública, o combate à corrupção e a preservação da Lava Jato por consequência. “Esperar o que de uma corte que tem a desconfiança de 3 em cada 4 brasileiros? Ao invés de proteger o seu povo prefere salvar a pele de bandidos do colarinho branco. Até quando? “, afirmou.

O senador Major Olimpio (PSL), apresentou hoje (14/3), em Brasília, um Projeto de Lei para tentar “salvar” a Lava Jato, após o Supremo Tribunal Federal (STF) decidir, por 6 votos a 5, que cabe à Justiça Eleitoral julgar crimes comuns, quando correlatos a crimes eleitorais. Com a decisão do STF, a Lava Jato teria sua força-tarefa eliminada.

DEZENAS DE MOVIMENTOS ESTÃO ORGANIZANDO UMA GRANDE MANIFESTAÇÃO, POR TODO O TERRITÓRIO NACIONAL, PARA O DIA 07 DE ABRIL. PREPARE-SE!

COMPARTILHE!!