fbpx

Venezuela Posiciona Mísseis S-300 na Fronteira com o Brasil. Maduro quer guerra com o Brasil?

Os movimentos recentes da tirania venezuelana parecem indicar que o ditador comunista de extrema-esquerda Nicolás Maduro quer criar um conflito armado com o Brasil. Seria uma forma de desviar atenção para o colapso de seu país e o fato de que mais de 50 nações já reconheceram Juan Guaidó, presidente da Assembleia Nacional, como presidente legítimo.

Também deve ser levado em consideração o impacto que uma guerra causaria no projeto do novo Brasil. As reformas econômicas seriam diretamente prejudicadas em caso de guerra declarada com inimigo estrangeiro.

Na Constituição Federal, em seu Artigo 60 § 1º, determina expressamente casos em que a Constituição NÃO poderá ser emendada, ou seja, as Propostas de Emenda Constitucional (PEC) não poderão ser analisadas e aprovadas pelo congresso nacional durante a vigência de intervenção federal, de estado de defesa ou de estado de sítio.

A mudança de direção do Brasil, após as eleições de 2018, com a vitória de Jair Bolsonaro desestabilizou a esquerda na América Latina, criando grandes problemas para o avanço da URSAL e estratégias estabelecidas no Foro de São Paulo.

Uma guerra seria uma forma de impedir a virada do Brasil?

Seria este o assunto de reunião entre Gleise Hoffman (PT) e Maduro, em sua posse em Caracas, em 10 de janeiro deste ano?

Nicolás Maduro mandou o exército venezuelano impedir a ajuda humanitária de chegar ao território da Venezuela. Ontem, a fronteira com o Brasil foi fechada. Hoje o exército abriu fogo contra pessoas que tentavam impedir o fechamento da fronteira.

Duas pessoas já morreram e 15 ficaram feridas. Pelo menos sete venezuelanos baleados foram conduzidos para hospitais em Boa Vista, Roraima. As vítimas são indígenas, segundo parlamentares e organizações não governamentais. O conflito, segundo relatos, ocorreu a 60 quilômetros da fronteira onde há uma comunidade indígena da etnia Pemon, favorável à ajuda humanitária internacional. Como os indígenas tentaram desobstruir a via, impedida pelos militares venezuelanos, os confrontos começaram.

A Secretaria de Saúde de Roraima informou que os cinco feridos foram baleados e transportados em ambulâncias venezuelanas autorizadas a cruzar a fronteira. Eles estão sob observação médica no Hospital Geral de Roraima. Segundo a secretaria, cinco pacientes tiveram de passar pelo centro cirúrgico. Os demais venezuelanos foram atendidos no setor do Grande Traumas e permanecem em observação.

Governo Maduro posicionou o Sistema de Mísseis de Defesa Aérea S-300VM próximo à fronteira com o Brasil. O general Augusto Heleno, ministro-chefe do GSI, disse nesta sexta-feira à Globonews: “Nós temos que aguardar o desenrolar dos acontecimentos. O que já está estabelecido é que o Brasil não vai fazer nenhuma ação agressiva contra a Venezuela, porque é contra a Constituição e não é nosso pensamento. Nós queremos que a situação se resolva da melhor forma possível.”

Ontem, o vice-presidente Hamilton Mourão afirmou publicamente que não há hipótese de o Brasil atacar a Venezuela, salvo se for agredido.

O governo Maduro posicionou o Sistema de Mísseis de Defesa Aérea S-300VM próximo à fronteira com o Brasil. É a segunda ação após anunciar o fechamento da fronteira com o Brasil, o que ocorreu às 20horas desta quinta-feira (21).

A posição onde o sistema S-300 foi posicionado é a região do Aeropuerto de Santa Elena de Uairén, que dista da cidade fronteiriça de Pacaraima, Estado de Roraima, cerca de 11km.

A Venezuela possui 3 Sistemas de Defesa Aérea S-300, que inclui lançadores, sistemas de radares e apoio. Trazer um sistema estratégico tão valioso para uma posição de fronteira tem um caráter provocativo.

O que é o S-300VM ?

O sistema de Defesa Aéreo S-300VM é produzido pela empresa russa Antey-Almaz. Tem sido o maior sucesso de vendas no mercado internacional da indústria militar russa pós-Guerra Fria. Supera em muito o sucesso dos famosos caças Sukhoi.

A Venezuela adquiriu os S-300 durante o governo de Hugo Chávez. Junto incorporou o conceito de defesa aérea desenvolvido pelos russos desde a Guerra Fria. Trata-se de um sistema escalonado, que vai desde o menor nível com canhões até os mísseis para grande altitude:

1 – Canhões de 20 a 40mm;
2 – MANPADS IGLA S 3,5km;
3 – S-125 Pechora 2M – 20km Altitude;
4 – BUK-2ME – 25 km Altitude;
5- S-300VM – 30 km Altitude.

A Venezuela adquiriu não só os sistemas de mísseis e Comando e Controle (C2), mas sim o conceito de operação e emprego dos russos. Há três anos foi o criado o “Comando de Defensa Aeroespacial Integral” (CODAI). É subordinado ao “Comando Estrategico Operacional” (CEOFANB), outro conceito importado da Rússia.

O CODAI tem recebido treinamento sobre os avanços ocorridos na Guerra da Síria diretamente de missões russas que visitam o país. O controle de afinidade ideológico dos seus membros.

O S-300VM é o grande guarda-chuva do sistema de defesa aérea venezuelano. Pode-se dizer que é o que tem mantido vivo o Regime Chavista e o Governo Maduro.

O Objetivo

O Objetivo de posicionar um sistema estratégico de tanta importância como os S-300MV tão próximo da fronteira é uma clara provocação e tem o fim de impactar TODO o tráfego aéreo na região norte do Brasil.

Assim criam uma área de exclusão aérea que atinge até Manaus. Torna inefetivo o aeroporto de Boa Vista. Com os seus potentes radares trabalhando a plena potência, sem necessidade de ações discretas para evitar mísseis anti-radiação ou ações de Interferência Eletrônica, têm um alcance de 300km.

A Venezuela expediu o NOTAM Ao 160/19 (Notice to Airmen) com um área de exclusão aérea entre o continente e as ilhas de Curaçao, Aruba e Bonaire, consideradas um dos três pontos de apoio de distribuição de ajuda humanitária.

Os outros dois pontos são Cúcuta (Colômbia) a Pacaraima (Brasl).

Porém, a área de inteligência considera, que na prática a Venezuela está colocando TODO o seu espaço aéreo como área de exclusão, ao acionar os radares dos sistemas de mísseis.

No círculo vermelho a área estimada da cobertura do radar do S-300VM, cerca de 300 km de raio. Este alcance depende da característica do terreno e da potência que está sendo empregada nos radares. Observar que a altura chega a 10.000m

As linhas internacionais Brasil-Estados Unidos usam a rota sobre a Venezuela para cruzar o Caribe.

Usando uma similaridade macabra, mas para mostrar os riscos, temos o voo Malaysia Airlines MH 17, o Boeing 777-200, abatido por um míssil BUK (performance inferior ao S-300VM), quando sobrevoava a região da Crimeia, em 17JUL2014. Foram 298 vítimas.

Agressão ?

O Decreto Nº 6.592, 02 DE OUTUBRO DE 2008, regulamenta o disposto na Lei no 11.631, de 27 de dezembro de 2007, que dispõe sobre a Mobilização Nacional e cria o Sistema Nacional de Mobilização – SINAMOB.

Nas disposições Gerais

Art. 2º A Mobilização Nacional conceituada no art. 2o da Lei no 11.631, de 2007, é a medida decretada pelo Presidente da República, em caso de agressão estrangeira, visando à obtenção imediata de recursos e meios para a implementação das ações que a Logística Nacional não possa suprir, segundo os procedimentos habituais, bem como de outras necessidades.

§ 1º São parâmetros para a qualificação da expressão agressão estrangeira, dentre outros, ameaças ou atos lesivos à soberania nacional, à integridade territorial, ao povo brasileiro ou às instituições nacionais, ainda que não signifiquem invasão ao território nacional.

§ 1º São parâmetros para a qualificação da expressão agressão estrangeira, dentre outros, ameaças ou atos lesivos à soberania nacional, à integridade territorial, ao povo brasileiro ou às instituições nacionais, ainda que não signifiquem invasão ao território nacional.

Portanto se a ação da Venezuela, caso seja continuada, é classificada como “Agressão Estrangeira”, e como no inciso 1º “ainda que não signifiquem invasão ao território nacional”.

Tanto o aeroporto de Boa Vista, como a Base Aérea da agora denominada ALA7 apresentam operação restritas e de risco.